tensão pré-menstrual (TPM)

tensão pré-menstrual (TPM)

tensão pré-menstrual (TPM)

Pesquisas afirmam que até 70% das mulheres possuem algum grau de TPM.
Será que você sofre de tensão pré-menstrual (TPM)? Saiba através do texto que o médico ginecologista, Dr. Rafael Lacordia escreveu para o M de Mãe.

O que é

A tensão pré-menstrual, mais conhecida como TPM, caracteriza-se por um conjunto de sintomas físicos e emocionais que se manifesta um pouco antes da menstruação e desaparece com ela. Podem ser tão intensos que acabam interferindo no desempenho de suas funções pessoais e profissionais. Há pesquisas que afirmam que até 70% das mulheres apresentam algum grau de TPM.

A TPM está diretamente ligada às alterações hormonais apresentadas pelas mulheres no decorrer do ciclo menstrual, principalmente do estrogênio e da progesterona. Além deles a serotonina, chamada de hormônio do bem-estar, também tem seus níveis oscilando bastante, o que contribui com as alterações de humor. A serotonina costuma acompanhar as alterações dos níveis de estrogênio, sendo maiores na primeira metade do ciclo e caindo quanto mais perto chega à menstruação. Já a progesterona aumenta na segunda metade do ciclo e tem como um dos principais efeitos a retenção de líquidos, sendo responsável pelos sintomas físicos como inchaço e dor nas mamas.

Sintomas

Os sintomas são variados, sendo mais de 150 associados a essa síndrome, porém, nenhum deles é definidor da TPM ou está presente em todas as mulheres com esse problema, o que torna ainda mais difícil de estimar sua incidência.

Eles podem ser emocionais como: Ou físicos, por exemplo:
Irritabilidade Dor de cabeça e nas mamas
Depressão Fogachos
Ansiedade Náuseas
Alterações no apetite Vômitos
Sono Manifestações alérgicas
Choro fácil

Manifestação

Não existe um prazo definido para aparecer, podem surgir 10 dias antes da menstruação ou apenas no próprio dia em que ela irá começar. Os sintomas devem desaparecer com o início do fluxo menstrual ou até o final dele. Caso isso não ocorra é importante seguir investigação sobre as causas, por não se tratar de TPM.

Diagnóstico

O diagnóstico da TPM é clínico, por meio dos sinais e sintomas apresentados pela paciente e estando relacionados com o período do ciclo em que ela se encontra. Muitas vezes é difícil se chegar ao diagnóstico, isso porque a TPM pode se manifestar de diversas formas. Não há exames que ajudem a definir a TPM, sendo fundamental que a própria paciente tente perceber quando as queixas aparecem.

Mecanismos e cuidados para combater esses sintomas

De acordo com o grau da TPM e com os principais sintomas de cada mulher é que direcionamos o tratamento.

Nos casos mais leves, apenas atividade física pode ser um fator de melhora. Já para aquelas em que os sintomas são considerados moderados ou graves, a associação com anticoncepcionais e outras medicações, como antidepressivos, podem ser necessárias, sempre sob supervisão médica.

A alimentação também é importante. Para aquelas mulheres que apresentam alteração de humor, evitar excesso de cafeína (café, chá-preto e refrigerante) e bebidas alcoólicas irá trazer benefício. O triptofano, encontrado em alguns alimentos (ovo de galinha, semente de girassol e abacate) é convertido em serotonina no organismo, por isso, auxilia a reduzir os sintomas da TPM.

Aquelas que sofrem com a retenção de líquido, levando a inchaço, dor nas mamas e cefaleia devem ingerir bastante líquido e reduzir o consumo de sal. Com isso ocorrerá a inibição do ADH, hormônio que regula a excreção de água nos rins, diminuindo a quantidade de líquido no corpo.